Entrevista com Wesley Stromberg

Você está no negócio da música já faz alguns anos, então você sabe que essa indústria não é um lugar fácil. É difícil conseguir uma posição, e para que os artistas possam manter essa posição, eles precisam estar sempre se reinventando. Então, o que você acha que são os principais fatores que alguém precisa ter, saber, ter em mente, quando se está reinventando o próprio estilo musical? 

W: Eu tenho um sistema que é basicamente escrever, gravar, lançar, ensaiar e ir em turnê. Esses são os 5 passos que mantêm a linearidade e o desenvolvimento, e a sustentabilidade como um artista. Apenas praticar loucamente, compartilhar a sua música e estar sempre confiante da sua honestidade. 

S: Todo mundo sempre mundo, mas quando se reinventando é importante se manter verdadeiro a si mesmo e ao que você sente. 

W: Se manter real and true! 

S: Verdade. (risos) É isso que as pessoas querem ouvir na música, eles querem ouvir você, não você tentando ser outra pessoa. Você pode mudar, mas sempre mantenha seu coração o mesmo. 

E ainda sobre sua presença na indústria da música. Sobre o The X Factor, sobre seus anos fazendo parte de uma banda, o que você acha que toda essa experiência lhe adicionou e te ensinou para que você pudesse entrar nessa nova aventura que é a sua carreira solo?

W: Estar em uma banda e participar de uma banda foi absolutamente maravilhosa, a toda a experiência foi uma benção. Foi basicamente como ir à faculdade, eu aprendi a ser um músico e agora sei tudo que preciso saber sobre escrever, gravar e me apresentar. Eu tenho todas as ferramentas que preciso pra continuar fazendo isso pra sempre e estou muito animado com meu futuro. 

Nós mencionamos que você está passando por uma fase nova na sua carreira, então quais são os artistas que estão inspirando vocês dois agora? 

S: Me inspiram muito pessoas do rap e do hip hop, no momento eu amo artistas como Kendrick Lamar e J Cole, eles estão no topo pra mim. O tipo de coisas que eles estão discutindo nas suas letras é tão diferente do que qualquer outra pessoa antes deles fez, eles estão falando sobre coisas reais e profundas, e isso está tocando no rádio pra todo mundo ouvir. As coisas passadas são sobre transar, ganhar dinheiro. 

W: Eles também o fazem, mas também camuflam isso na percepção consciente das coisas. 

S: É, e eu tenho muito respeito por isso. Eu também amo Anderson Paak, amo Drake. 

W: Sim, Drake! Drake é meu artista favorito no momento. Post Malone, gosto muito dele também, ele faz algo similar ao que eu faço, que é usar o rock e infundir com o hip hop, eu acho isso muito, muito legal. E com relação a artistas antigos, eu amo Sublime. Bradley é um dos meus cantores favoritos, ele canta com muita paixão, acho ele incrível. 

Nós podemos ver claramente que você tem uma relação muito próxima com seus fãs, nos conte mais sobre isso. 

W: Eu tenho muita sorte de ter fãs tão incríveis, que me apoiam tanto, isso é surreal, é muito poderoso. Nós tivemos fãs nos recebendo no aeroporto e no hotel, e foi surpreendente porque eles só queriam uma foto e dizer “ei, você impactou a minha vida, obrigado”. Isso é tão legal. Música é muito poderosa, está aí pra te inspirar, te motivar e curar corações partidos, essa é a melhor coisa que existe. Eu não poderia estar fazendo isso sem os meus fãs, eu tenho que agradecer muito por tudo que fazem. 

Vocês já comeram alguma comida típica brasileira? 

W: Ah… Como é o nome daquilo? Alguma coisa com queijo? 

S: É… Um pão. 

Pão de queijo. 

W: Isso, pão de queijo! E comemos muita carne grelhada, e também frango e arroz. 

Não temos mais tempo, então acabamos por aqui, muito obrigada! 

W: Obrigado, foi ótimo, obrigado por essas perguntas! 

S: Sim, foram muito boas. 

W: De verdade, foram mais do que só saber da viagem e do Rio de Janeiro, e essas coisas. 

S: Foram “real and true”

Caroline Carvalho

Entrevistas